Traditional Industry needs Talent

facebook twitter
1Foto abertura

EDUARDO EUGENIO GOUVÊA VIEIRA / PRESIDENTE DA FIRJAN

 

by Cristina Chacel

Brazil is one of the most resourceful countries in the world, with 243,000 companies using creativity as their main work tool, and that together produce the equivalent of R$110 billion, or 2.7% of national GDP. Rio is particularly good example, with 26,000 of this type of company based in the state, producing a combined R$18.6 billion in goods and services, or 4.1% of the total produced in the region, with the creative industry accounting for the highest share in terms of GDP among all the economic segments in the state. It is, therefore, of no surprise that the creative industry is the apple of Firjan’s eye, the Federation of Industry in the state of Rio de Janeiro, which began its work in this area in the segments of fashion and audiovisual, and that now has another key segment in its sights to integrate traditional with creative industries. In the words of Firjan’s president, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, who in an exclusive interview with ECONOMIA RIO, spoke of the importance of mathematics in educating and training professionals, and the success attained with high school students, who often initially learn and think about creativity by playing videogames.

 

ECONOMIA RIO – creative industries were first included on Firjan’s agenda in 2006, when the increasing value of this business segment in the production of goods and services in Rio was recognized, as was also evident in the global economy. However, at the same time as the creative industry was elected as an anchor for sustainable development in the region, it requires special efforts to strengthen the grassroots in areas such as education, training, and the legislation pertinent to trade and commerce. What has changed since then? What real and tangible advances have you seen in terms of the consolidation of this segment?

EDUARDO EUGENIO – In 2012 we published a map of creative industries, which is now used as a reference by several Brazilian entities, including foreign interests. We drew attention to the value of the creative industry. We had already mapped out the fashion segment more than ten years ago, together with the audio and video sector. But the most important thing was to have brought this discussion to Brazil through Rio de Janeiro. This was our trump card, as Rio is a benchmark for creativity in the country.
ECONOMIA RIO – Does this debate in Brazil Begin in Rio?

EDUARDO EUGENIO – I am in no doubt about this. Rio de Janeiro is an extremely creative city, notably in areas such as: cinema, music, architecture, cosmopolitan thinking, all of which have everything to do with creativity. We have here the largest audiovisual center in the country, and a renewed interest in fashion was sparked in the region when we held Fashion Rio. We are recreating the Fashion Forum, and have brought this discussion to life through Rio.

 

ECONOMIA RIO – As well as fashion and audiovisual, which sectors of the economy in Rio have strong ties to the creative industry?

EDUARDO EUGENIO – Creativity has a lot to do with research, and Rio is the city with the most research centers in Brazil. Starting with Fiocruz, a world of intellectual talent, and UFRJ, which has expanded its boundaries as a university to become a giant hub in the area of research and development (R&D), and where companies are investing heavily, notably in Fundão and Ilha de Bom Jesus, alongside Cenpes. We also have a huge number of software, computer and telecom businesses here, and the Brazilian telecommunications capital is in Rio. Historically speaking, the largest companies have always been here. When we look at the oil industry, and Cenpes in particular, it is impressive to see how the domination of petroleum in the area fuels creativity. We would not be in the position to drill three thousand meters under the sea without being creative. And this has happened in Rio de Janeiro. We should also mention design, which is our next big target, and this is a transversal item, involving traditional questions such as architecture, and the largest works are here. The great architects, Niemeyer and Lúcio Costa, set up a school in Rio de Janeiro. In addition, cultural expressions have to be added into this mix, music, theatre and political debate through the arts, and which has been prevalent here for time immemorial.

 

 

ECONOMIA RIO – What is necessary to promote this virtuous link between Rio’s economic vocation and the creative industry? Are the conditions for this development already determined, due to the status quo in Rio de Janeiro? Is cultural heritage enough? What are the obstacles and/or the main challenges?

EDUARDO EUGENIO – The quantum leap on this front was mapping creative industry, as from that point on we were working to unlock production capacity, to bring this intelligence to the product, thus adding value. We have a favorable cultural environment and political history, even more so than we actually perceive – the Creative Industry Program is dealing with this – but what we do not have yet is a business environment prepared for this new industry. This is one of the main focal points of our program, to identify the bottlenecks, the new characteristics in this segment that need to be supported by public policies, which require special care and attention. For example, the creative industry today finds it hard to get financing, as the banks require the same guarantees as for heavy industry. And we are identifying other gaps.

 

ECONOMIA RIO – How can we promote the synergy between creative and traditional industry? Which of the more traditional sectors benefit the most from the creative production practices?

EDUARDO EUGENIO – the Program is set up on several different fronts. The internal group responsible for mapping the creative industry chose 12 essential issues and a good business environment. Public policies, professional education, intellectual property, internationalization, it is from this starting point that we are drawing up proposals for improvements. How do we deal with executive qualifications and training in terms of creative talent? How can we improve professionals in the segments of fashion and audiovisual?

 

ECONOMIA RIO – education is the key…

EDUARDO EUGENIO – This goes without saying. We have incorporated the teaching of mathematics in our agenda, through youth games. We scoured the world, formed partnerships with the National Institute for Pure and Applied Mathematics, the IMPA, we adapted the games to the reality in Brazil, and we already have 50,000 games. The popularity of the program is exploding among students at SESI, and we expect to universalize it in the near term. To do so we need to have allegiances established with public entities, and we already have an agreement with state government, and several high schools are already adopting this model. The aim is to include the entire state teaching network before 2016.

 

ECONOMIA RIO – How did the idea of mathematics first spring to mind?

EDUARDO EUGENIO – we began to evaluate the level of professionalization among Brazilian workers, and identified a lag in terms mathematics. This study was made at 600 companies throughout the country. The difficulty related to logical rationalization was indicated by almost everyone as a significant gap. We are drawing youngsters’ attention through the creative industry, as what helps these youngsters in terms of differentiated learning is a connection with creativity. Students no longer want to leave the classroom at break, and this program allows them to play with people all over the world, via the web. We have a girl in Itaperuna, in the northeast of the state, who is playing with people in London. And winning! The talent we have often goes unexplored and sometimes completely missed.

 

ECONOMIA RIO – How many young people are taking part?

EDUARDO EUGENIO – The program began in 2012, and was implemented in the SESI/SENAI public high-school education networks in the state of Rio de Janeiro, and municipal junior schools in Petropolis. However, we have already signed contracts with states, and intend to use the teaching methodology of games online in Santa Catarina. We plan to inaugurate Casa SESI Matemática in 2016, in Barra. By then, the program should be operational in 1,200 state schools supported by 2,500 teachers.

 

ECONOMIA RIO – Is there any Professional bias in this games program?

EDUARDO EUGENIO – There is in the sense of learning, and the horizon is to explore. Independent from mathematics, our schools are embracing this logic to stimulate creativity. Various programs related to new ideas encourage finding new solutions to real problems. We are providing training to develop more critical adults with well-developed rational logic, which should have a direct effect on the qualification of better qualified professionals, ready to work in an increasingly competitive environment.

 

ECONOMIA RIO – Is it possible to predict, over a horizon of ten years, how much the creative industry will account for in Rio’s economy?

EDUARDO EUGENIO – The creative industry is linked to the human capacity to create, and this depends on freedom, and a cool head to let imagination go to work. We need a structural climate in the country that allows for this, and definitely not a heavy-handed state, but one that will let society flourish.

 

 

ECONOMIA RIO – What is Firjan’s role in promoting creative industry?

EDUARDO EUGENIO – Our major challenge is to ensure that traditional industry can associate with creative logic, and apply this in terms of the development of their products. If you look at a the industry of door locks, and a company like AGA, you can tell that it is already using this logic. It has connections with the creative industry, its own designers, agreements with design companies, even though it is a traditional industry in the metal-mechanical sector. In so doing, AGA is more competitive, has a larger market share, and better results. Is the segment of plastics associated with this type of logic? How could the bakery segment improve market share using creative industry? Or the furniture business, even cosmetics….it is part of our agenda to open people’s minds to this new approach. We take entrepreneurs to world fairs, such as the Design Fair in Milan.

 

 

ECONOMIA RIO – Is design now a focal point for Firjan?

EDUARDO EUGENIO – We promoted a meeting between 15 small businesses in the furniture business in Rio with six well-known design companies, at SENAI Moda (Fashion) Design. We offered a workshop, the first of its kind, and the result was some really interesting furniture design, such as a shelving unit made of wood residue, a rack with 15 niche combinations, held in place by paper clips, and a rocking chair that looks more like a sculpture, and all extremely good. The pieces were shown at Casa Brasil 2013, the largest fair in the sector in Latin America, which was a good start.

 

ECONOMIA RIO – What is Firjan’s budget for the creative industry design program?

EDUARDO EUGENIO – Substantial. The asset we purchased in Botafogo is just the tip of the iceberg. We are building a three-storey module behind Palacete Guinle, which will house the creative industry project. This will be an important focal point in Rio de Janeiro, and a window for designers and producers. We bought the property two years ago, and held a competition to select the architect, and will now embark on the significant restoration project. The building should be ready before July 2016. Casa Firjan da Indústria Criativa (Firjan’s Home for the Creative Industry) will be the hub to connect with our network of content. We have a recognized audiovisual school in Laranjeiras, a school for games in Maracanã, and a unit in Benfica to develop different creative skills. Casa Firjan da Indústria Criativa is the heart of the Program, which will articulate and connect all these elements.

 

Casa Firjan da Indústria Criativa

 

 

A indústria quer talento

Por Cristina Chacel

 

O Brasil é um dos países mais criativos do mundo. Reúne 243 mil empresas que têm a criatividade como principal ferramenta de trabalho e, juntas, produzem o equivalente a R$ 110 bilhões, ou 2,7% do PIB nacional. O Rio é expoente. Tem 26 mil empresas. Juntas, elas produzem R$ 18,6 bilhões em bens e serviços, ou 4,1% de tudo o que é produzido em território fluminense, o que vem a ser a maior participação de PIB criativo entre as economias dos estados. Não por acaso, a indústria criativa é a menina dos olhos da Firjan, a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, que começou sua atuação pelos segmentos de moda e do audiovisual e agora tem no design um segmento-chave para o diálogo entre a indústria clássica e a indústria criativa. Palavras do presidente Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, que em entrevista exclusiva para ECONOMIA RIO, falou da importância da matemática para a formação profissional e do sucesso alcançado com alunos do ensino médio, que aprendem a pensar e a criar jogando videogames.

 

ECONOMIA RIO – A indústria criativa entra na pauta da Firjan em 2006, com o reconhecimento do empresariado fluminense do crescente valor do conhecimento na produção de bens e serviços, uma evidência na economia mundial. Ao mesmo tempo, porém, que a indústria criativa é eleita âncora do desenvolvimento sustentável fluminense, ela exigia esforços para seu fortalecimento nos campos da educação, do treinamento, da legislação e do comércio. O que mudou de lá pra cá? Que avanços o senhor enxerga, a olho nu, na consolidação deste segmento?

EDUARDO EUGENIO – Em 2012 nós publicamos o mapeamento da indústria criativa, que é hoje consultado por vários órgãos brasileiros, inclusive no exterior. Nós chamamos a atenção para o valor da indústria criativa. Nós já tínhamos mapeado o segmento de moda, há mais de dez anos, e o setor de áudio e vídeo. Mas o importante foi termos trazido essa discussão para o Brasil a partir do Rio de Janeiro. Esse é o grande trunfo. O Rio é a cara da criatividade.

 

ECONOMIA RIO – Esse debate no Brasil começa pelo Rio?

EDUARDO EUGENIO – Não há a menor dúvida. O Rio de Janeiro é uma cidade criativa. Aqui temos cinema, música, arquitetura, pensamento cosmopolita, que tem tudo a ver com criatividade. Temos aqui o maior centro de áudio e vídeo do país. Aqui ressuscitamos o olhar sobre a moda, quando fizemos o Fashion Rio. Estamos recriando o Fórum da Moda. Trouxemos toda essa discussão a partir do Rio.

 

ECONOMIA RIO – Além da moda e do audiovisual, quais setores da economia fluminense são fortes na concepção de indústria criativa?

EDUARDO EUGENIO – A criatividade tem tudo a ver com pesquisa. O Rio é a cidade onde mais existem centros de pesquisas do Brasil. A começar pela Fiocruz, um mundo de talento intelectual. A UFRJ, que sai dos muros da universidade para esse gigantesco hub de pesquisa e desenvolvimento, onde as empresas estão investindo barbaridade, no Fundão e na Ilha de Bom Jesus, ao lado do Cenpes. Temos aqui grande quantidade de negócios de software, computação e telecom. A capital brasileira de telecom é aqui. Historicamente. As grandes companhias estão aqui. Quando falo em petróleo, e falo do Cenpes, é impressionante o que o domínio do petróleo traz de criatividade. Não estaríamos furando poço a 3 mil metros de profundidade sem criatividade. E isso aconteceu no Rio de Janeiro. E podemos falar de design, nosso próximo grande alvo. Este é um item transversal. E entram questões tradicionais, como a arquitetura. As grandes obras estão aqui. Os grandes arquitetos, Niemeyer e Lúcio Costa, fizeram escola no Rio de Janeiro. E somam-se a tudo isso as expressões culturais, a música, o teatro e o debate político através das artes, que aconteceu aqui a vida toda.

 

ECONOMIA RIO – O que é necessário para a promoção desse encontro virtuoso entre a vocação econômica do Rio de Janeiro e a indústria criativa? As condições para esse desenvolvimento estão dadas, em função desse status quo do Rio de Janeiro? Basta o patrimônio cultural? Quais os obstáculos? Ou os principais desafios?

EDUARDO EUGENIO – O grande salto foi esse mapeamento, e, a partir dele, estamos trabalhando para desentravar a capacidade produtiva, pra trazer essa inteligência para o produto, valor agregado. Temos um ambiente cultural, uma história política que favorece, mas o que percebemos – e o Programa da Indústria Criativa está tratando disso – é que não temos, ainda, um ambiente de negócios preparado para essa nova indústria. Esse é um dos grandes focos do nosso programa. Identificar os gargalos, quais novas características deste segmento que precisam ser amparadas por políticas públicas, que exigem cuidados especiais. Hoje, por exemplo, o setor criativo tem grande dificuldade de financiamento. Os bancos exigem as mesmas garantias que exigem das indústrias pesadas. Estamos identificando este e outros gaps.

 

ECONOMIA RIO – Como promover a sinergia entre a indústria criativa e a indústria clássica? Quais setores clássicos respondem mais às práticas criativas de produção?

EDUARDO EUGENIO – O Programa tem uma série de frentes. O grupo interno responsável pelo mapeamento da indústria criativa elegeu 12 temas essenciais a um bom ambiente de negócios. Políticas públicas, educação profissional, propriedade intelectual, internacionalização… E a partir disso está desenhando propostas de melhoria. Como a gente trata capacitação executiva em talentos criativos? Como melhorar a qualificação profissional nos segmentos da moda e do audiovisual?

 

ECONOMIA RIO – A educação é a chave…

EDUARDO EUGENIO – Com certeza. Incorporamos à nossa agenda de trabalho o ensino da matemática, através de games para a juventude. Corremos o mundo, trouxemos a parceria com o Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada, o IMPA, adaptamos os games à realidade brasileira. Já temos aí uns 50 mil jogos. E o programa está bombando entre os alunos do SESI. É um programa que esperamos universalizar. Para isso, precisamos ter alianças com o poder público. Já existe um convênio com o Governo do Estado. Várias escolas do ensino médio estão adotando. A meta é chegar a toda a rede estadual de ensino até 2016.

 

ECONOMIA RIO – Como surgiu essa ideia da matemática?

EDUARDO EUGENIO – Nós começamos a avaliar o grau de profissionalização do trabalhador brasileiro e identificamos a defasagem em matemática. Essa pesquisa foi feita com 600 empresas, em todo o país. A dificuldade de raciocínio lógico foi apontada por todas como um enorme gap. E estamos chamando a atenção dos jovens por meio da indústria criativa. O que faz estes jovens aprenderem de forma diferenciada é a conexão com a criatividade. Alunos não querem mais sair da sala de aula na hora do recreio. Esse programa permite você jogar com quem quiser no planeta, via web. Temos uma menina em Itaperuna, no Noroeste do Estado, que está jogando com pessoal de Londres. E ganhando! O talento que nós temos muitas vezes não é explorado.

 

ECONOMIA RIO – Quantos jovens participam?

EDUARDO EUGENIO – O programa começou em 2012 e foi implantado nas redes de educação SESI/SENAI, do ensino médio da rede pública estadual do Rio de Janeiro e do ensino fundamental da rede municipal de Petrópolis. Mas já assinamos contratos com outros estados. Vamos levar a metodologia de ensino com os games online para Santa Catarina. Vamos inaugurar a Casa SESI Matemática em 2016. Vai funcionar na Barra. Até lá, o programa deve estar funcionando em 1.200 escolas do Estado com o apoio de 2.500 professores.

 

ECONOMIA RIO – Há um viés profissionalizante nesse programa de games?

EDUARDO EUGENIO – Há no sentido do aprender. E do horizonte a explorar. Independente da matemática, nossas escolas estão entrando nessa lógica de incentivar a criatividade. Vários programas relacionados a novas ideias incentivam novas soluções para problemas reais. Estamos formando adultos mais críticos e com o raciocínio lógico bem desenvolvido, o que terá impacto direto na formação de profissionais bem qualificados, prontos para atuarem no mercado de trabalho cada vez mais competitivo.

 

ECONOMIA RIO – É possível vislumbrar, em um horizonte de dez anos, qual será a participação da indústria criativa na economia fluminense?

EDUARDO EUGENIO – A indústria criativa está ligada à capacidade do ser humano de criar. Esta capacidade depende da liberdade. Depende da cabeça tranquila pra fazer a imaginação funcionar. Precisamos ter um clima estrutural no país que permita isso. Não precisamos da mão pesada do Estado. Precisamos, sim, que o Estado deixe a sociedade florescer.

 

ECONOMIA RIO – Qual o papel da Firjan na promoção da indústria criativa?

EDUARDO EUGENIO – Nosso maior desafio é fazer com que a indústria clássica se associe à lógica criativa e aplique isso no desenvolvimento de seus produtos. Você observa uma indústria de fechaduras como a AGA e conclui que ela já se apropriou dessa lógica. Ela está conectada com a indústria criativa, tem designers na empresa, tem convênios com escritórios de design, apesar de ser uma indústria clássica, do setor metal-mecânico. Com isso ela ganha competitividade, ganha mercado, gera resultado. Como o segmento do plástico se associa a esse tipo de lógica? Como o setor de panificação ganha mercado com indústria criativa? Ou a indústria moveleira. Ou, ainda, a de cosméticos. Faz parte da nossa agenda abrir a cabeça das pessoas para essa nova prática. Levamos empresários a feiras mundiais, como a Feira de Design de Milão.

 

ECONOMIA RIO – O design está em foco, agora, na Firjan?

EDUARDO EUGENIO – Nós promovemos o encontro de 15 pequenas empresas da indústria moveleira fluminense com seis escritórios consagrados de design. Isso através do SENAI Moda Design. Realizamos uma oficina, a primeira, e dali saíram móveis interessantíssimos, como a estante feita de resíduos de madeira, o rack com 15 combinações de nichos, presos por clipe de papel, e uma cadeira de balanço que mais parece uma escultura. Muito bom. As peças foram exibidas na Casa Brasil 2013, a maior feira do setor na América Latina. É um começo.

 

ECONOMIA RIO – Qual o orçamento do programa de indústria criativa da Firjan?

EDUARDO EUGENIO – É muito grande. Esse ativo que compramos em Botafogo é a ponta do iceberg. Estamos construindo atrás do Palacete Guinle um módulo de três andares, para acolhermos a discussão da indústria criativa. Será um ponto focal importante do Rio de Janeiro. Uma vitrine, onde já há uma forte concentração de produtoras e escritórios de criação. Compramos há dois anos, fizemos concurso público de arquitetura, e vamos fazer um grande trabalho de restauração. Fica pronto até julho de 2016. A Casa Firjan da Indústria Criativa será o hub de conexão da nossa rede de conteúdos. Temos uma escola de audiovisual forte em Laranjeiras, uma escola forte de games no Maracanã, uma unidade em Benfica desenvolvendo diferentes competências criativas. A Casa Firjan da Indústria Criativa é o coração do Programa, que vai articular e conectar todas essas pontas.

 

 

 

 

 

Related Articles

Leave a Reply